Assim sou EU....

A menina de olhos castanhos, do cabelo comprido, do sorriso sincero, da risada esquisita, dos sonhos impossíveis, da esperança interminável, de insegurança constante, dos amigos perfeitos, do coração enorme.
Aquela que se apaixona, que se esquece dos erros, que se envergonha de tudo, que se sente sozinha, e que nunca desiste. A menina que precisa ser protegida, que chora por tudo, que morre de medo, que ama a vida, que se desespera, que aproveita cada segundo, que é romântica, que fica feliz com um abraço, que sonha demais, que pensa demais, que complica demais e que deseja apenas ser feliz!

terça-feira, 9 de outubro de 2012


"Quantas chances de viver loucuras memoráveis a gente desperdiça com essa mania besta de pensar?"

"Não adianta. Mudam-se as cores do inverno, os sorrisos, as páginas das revistas, as dez mais bonitas. Mudam-se as tecnologias, as manchetes, o preço do pão, o jeito como você corta o cabelo. Mudam-se os sonhos, o clima lá fora, o tom do batom, a decoração, o que você espera de si mesma. 

Tudo muda o tempo todo. Mas uma coisa não muda. Não sai de moda. Não fica velho, nem ultrapassado. Quer saber? Acho amar a coisa mais eterna que existe. Não há nada mais moderno. Mais transgressor. Mais ousado – e mais antigo - que isso. Num tempo onde as pessoas mal têm tempo, amar virou coisa de gente corajosa."

“Pode invadir ou chegar com delicadeza, mas não tão devagar que me faça dormir. Não grite comigo, tenho o péssimo hábito de revidar. Acordo pela manhã com ótimo humor, mas permita que eu escove os dentes primeiro. Toque muito em mim, principalmente nos cabelos e minta sobre a minha nocauteante beleza. Tenha vida própria, me faça sentir saudades, conte umas coisas que me façam rir, mas não conte piadas, nem seja preconceituoso, não perca tempo cultivando este tipo de herança de seus pais. Viaje antes de me conhecer, sofra antes de mim para reconhecer-me um porto, um albergue da juventude.

Eu saio em conta, você não gastará muito comigo. Acredite nas verdades que digo e nas mentiras, elas serão raras e sempre por uma boa causa. Respeite meu choro, me deixe sozinha, só volte quando eu chamar e, não me obedeça sempre que eu também gosto de ser contrariada (então fique comigo quando eu chorar, combinado?). 

Seja mais forte que eu e menos altruísta. Não se vista tão bem, gosto de camisas pra fora da calça, gosto de braços, gosto de pernas e muito de pescoço. Reverenciarei tudo em você que estiver a meu gosto, boca, cabelo, os pelos no peito e um joelho esfolado. Você tem que se esfolar às vezes, mesmo na sua idade. Leia, escolha seus próprios livros, releia-os. Odeie a vida doméstica e os agitos noturnos. Seja um pouco caseiro e um pouco da vida, não de boate que isto é coisa de gente triste. Não seja escravo da televisão, nem xiíta contra. Nem escravo meu, nem filho meu, nem meu pai. 

Invente um papel pra você que ainda não tenha sido preenchido e o inverta às vezes, me enlouqueça uma vez por mês mas me faça uma louca boa, uma louca que ache graça em tudo que rime com louca: loba, boba, rouca, boca. Goste de música e de sexo, goste de um esporte não muito banal. Não invente de querer muitos filhos, me carregar pra a missa, apresentar sua família, isso a gente vê depois, se calhar. Deixe eu dirigir seu carro aquele carro que você adora. Quero ver você nervoso, inquieto, olhe para outras mulheres, tenha amigos e digam muitas bobagens juntos. Não me conte seus segredos, me faça massagem nas costas. Não fume, beba, chore, eleja algumas contravenções, me rapte. Se nada disso funcionar, experimente me amar.”

(Martha Medeiros - Cartas extraviadas e outros poemas)

"… de amor andamos todos precisados, em dose tal que nos alegre, nos reumanize, nos corrija, nos dê paciência e esperança, força, capacidade de entender, perdoar, ir para a frente. Amor que seja navio, casa, coisa cintilante, que nos vacine contra o feio, o errado, o triste, o mau, o absurdo e o mais que estamos vivendo ou presenciando. (…) Meu partido está tomado. (…) Ele não obedece a cálculos da conveniência momentânea, não admite cassações nem acomodações para evitá-las, e principalmente não é um partido, mas o desejo, a vontade de compreender pelo amor, e de amar pela compreensão."

(Carlos Drummond de Andrade)
 
"Que o amor seja um motivo e não uma desculpa.
Que seja um encontro e nunca uma fuga.
Que seja a cura e jamais o que faz doer."




Amor palavra que liberta, já dizia o profeta!


[Gentileza, Marisa Monte]


Amor: o que nos salva!
 
"Eu engulo a seco tantas notícias, que ficam entaladas em minha garganta, mas prefiro fechar os olhos e lembrar um pouco de coisas que acrescentam. Durante todo tempo tanta maldade me cerca, mas prefiro que das minhas mãos só saiam auxílios. Sei que é impossível, por isso, não tenho a ilusão de apagar tudo que há de errado no mundo, mas tenho sim, a intenção de transmitir tudo o que há de bom em mim. Não é fácil, mas todos os dias tento renunciar meu lado impuro e embora essa atitude não traga um mundo melhor, aqui dentro já faz uma diferença danada."

"A sua felicidade não é a minha, e a minha não é a de ninguém. Não se sabe nunca o que emociona intimamente uma pessoa, a que ela recorre para conquistar serenidade, em quais pensamentos se ampara quando quer descansar do mundo, o quanto de energia coloca no que faz, e no que ela é capaz de desfazer para manter-se sã. Toda felicidade é construída por emoções secretas. Podem até comentar sobre nós, mas nos capturar, só se permitirmos."


Mas não levo mapa nem bússola

porque andei sempre sobre meus pés

e doeu-me às vezes viver.



(...) porém como dizia Clarice Lispector, 
 
“Um dia tinha se passado vinte anos” 
Um dia terão se passado quarentas anos, 
cinqüenta anos, 
e a gente não vai nem saber que viveu, 
por que viveu , como continua vivendo.
“Desperdício” 
é uma das palavras que mais detesto em nossa língua
e em nossa realidade, desperdício de comida,
de dinheiro, 
de esforço, 
e de vida. 
Desperdício dos afetos, quando enganamos ou traímos.
Quando somos irresponsáveis feito adolescentes eternos,
e não acho graça nenhuma nisso.
Atitudes de crianças e de adolescentes são toleráveis e até graciosas, 
na idade devida. 
Depois ficam chatas, ficam inconvenientes, ficam burras.



Neste mundo não há saída:
 há os que assistem, entediados, 
ao tempo passar da janela,
e há os afoitos,
 que agarram a vida pelos colarinhos.
Carimbada de hematomas,
 reconheço, sou do segundo time.


[Trecho do livro "Uma Vida Inventada", de Maitê Proença]



"Leve com você apenas o que combina e cabe na sua nova etapa de vida."



Eu sou o caule 

dessas trepadeiras sem classe, 

nascidas na frincha das pedras: 

Bravias. 

Renitentes. 

Indomáveis. 

Cortadas. 

Maltratadas. 

Pisadas. 

E renascendo.



Mais sábio que os homens , são os pássaros. 

Enfrentam as tempestades noturnas,

tombam de seus ninhos,

sofrem perdas, dilaceram suas histórias.

Pela manhã, tem todos os motivos para se entristecer e reclamar,

mas cantam agradecendo à Deus por mais um dia.



Olho para trás e vejo aquela menina que queria entender tudo,
com medo de que não coubesse tamanha quantidade 
de informação dentro de si. 
coube e ainda cabe.
E quanto mais entra, mais sobra espaço para a dúvida. 
compreendo hoje que nunca entenderei a morte, os sonhos, 
a sensação de dejá-vu e as premonições. 
Nunca entenderei por que temos empatia com uma pessoa
e nenhuma com outra.
Não entendo como o mar não cansa, nem o sol. 
Não compreendo a maldade, 
ainda que a bondade excessiva também me bote medo.
 
 
"E todos os dias, a menina crescia por fora, e ainda sim, continuava a ser criança. Não perdia a grandeza que só os pequeninos tem, de acreditar nas pessoas e suas boas intenções. Se agarrava a fé que a infância lhe deu de presente e conquistava, todos os dias, um pedacinho de felicidade, um punhado de paz, e uma gratidão de quem sabe o valor de viver. Se a gente colhe o que planta, coloca um sorriso no rosto, que logo ele brota na alma."

"Sou do tipo que lê um toque, que observa com o coração e caminha com os pés da imaginação. Multiplico meus cinco sentidos por milhares e me proponho a descobrir todos os dias novas formas de sentir."

Charlie Brown Jr. - Céu Azul

 
 
"Se a rotina me prende, a imaginação me liberta. Não consigo viver apenas do óbvio. É a busca por algo novo que me movimenta. Que me transporta. Que me transforma. Que me inspira."